Blanco Wines, o primeiro é a família

Blanco Wines, o primeiro é a família

Por Mariana Gómez Rus

Tradução: Leia Zimmermann

Gabriel Blanco trabalhou a terra durante muito tempo e sempre teve vinhedos. Mas foi pouco mais de dez anos quando, convencido de que seu Bonarda era especial, começou a elaborar vinho junto com sua esposa, Mónica, e seus filhos. Em 2005, quando começaram,alugavam parte de uma vinícola. Atualmente são possuidores de propriedade familiar, localizada ao sul de Lujan de Cuyo.

E apostar ao Bonarda como varietal insígnia foi um acerto. A verdade é que a “ Associação internacional de escritores e jornalistas de vinhos e destilados”posicionou ao Mairena Reserve como um dos melhores 10 vinhos do mundo.

Cada membro da família tem um rol fundamental nesta vinícola: Gabriel é encarregado do vinhedo; Mónica é gerente geral e é responsável pela área comercial. Gabriel Jr é o encarregado da produção e trabalha junto com o enólogo Giuseppe Francescchini, enquanto Rocío se encarrega da imagem e Ivana leva as rédeas da hospitalidade e administração.

Se você anda por aí, quase nas portas do Vale de Uco, sugerimos que atravesse esse caminho de ocres agrestes, e se deixe levar pelas experiências que propõe os Blanco: honesta, agradecida e familiar.

———————————————————————–

Mairena Bonarda Desafío 2017

Blanco Wines

Notas de cata

Por Iván Tkaczek, Sommelier.

 

Proveniente de um vinhedo de 80 hectares de 45 anos de idade, e descrito como “puro bonarda” por sua orgulhosa proprietária, este tinto tem a maravilhosa virtude de reunir na garrafa um nível de álcool baixo (12% V/V), taninos sedosos e ao mesmo tempo um poderoso aroma a frutas muito maduras (ameixa e morango, nota típica desse varietal).Estes dados não são menores, levando em consideração que Mendoza costuma produzir tintos que rondam os 14 graus e até mais.

O grande “desafio” em um vinho assim, consiste em conseguir a madureza dos aromas e, ao mesmo tempo, colher no momento justo para conservar acidez na fruta ( que nos dá as sensações refrescantes) e o açúcar necessário (não tanto neste caso) para esse nível de álcool (sensação de corpo e de calor). O equilíbrio destes elementos é o que consegue a magia de um vinho elegante.

A segunda grande virtude que mencionamos não é tão fácil de encontrar: um vinho pronto para beber, com os taninos já redondeados e sedosos. Opção maravilhosa e fundamental se queremos conseguir uma boa harmonização com os queijos macios e semiduros (evite sempre taninos duros nestas situações).

Com sua intensa e profunda cor púrpura, suas notas de fruta madura e em marmelada, e seus leves tons de ervas e lácticos, este bonarda é mais uma mostra do mestrado enológico do italiano Giuseppe Francescchini que nos deslumbra indefinidamente. Não deixe passar a oportunidade, pois foram elaboradas somente 1.500 garrafas!